segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Tecno Tretas é novo link do Actas Diárias

Quero apenas dar as boas-vindas a um novo Blog linkado neste:

http://tecnotretas.blogspot.com/

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Simpsons fizeram 20 anos

Os Simpsons fizeram 20 anos a 17/12/2009. Parabéns aos seus criadores! Ficam aqui três registos.





terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Medicina definida, Hospital em falta

Aveiro, 15 Dez (Lusa) - A criação de um curso de Medicina em Aveiro é mais um passo para corrigir o "erro histórico" que constituiu o desinvestimento na formação de médicos, disse hoje o primeiro-ministro.

"Nós, na década de 80 e princípios da década de 90, estávamos a formar cerca de 500 médicos, menos de metade daquilo que formávamos nos anos 70, e isso conduziu a um problema: o país tem hoje falta de médicos e muitos e muitos médicos que se vão reformar", disse José Sócrates durante a cerimónia de criação do novo Curso de Medicina da Universidade de Aveiro.
O chefe do Governo diz que a criação do novo curso é mais um passo para corrigir esse "erro histórico", salientando que o projecto do consórcio entre a UA e Universidade do Porto recebeu o parecer positivo de uma comissão científica independente internacional.
© 2009 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.


Uma proposta aproveitada


Fui cabeça-de-lista do PND (Partido da Nova Democracia) na últimas Legislativas pelo Círculo Eleitoral de Aveiro. A primeira proposta da minha lista dizia, relativamente à Saúde: "Queremos a construção de dois novos hospitais (Águeda e Aveiro). Queremos um centro de excelência dedicado à Pediatria, assim como a reabertura das maternidades de Oliveira de Azeméis e Águeda. Queremos a abertura 24 horas/dia de SAP's em todas as sedes de concelho. Queremos uma licenciatura de medicina na Universidade de Aveiro associada ao novo Hospital de Aveiro."

Saúdo este Governo pela coragem de avançar com esta proposta que apresentamos nas últimas Legislativas, mesmo contra alguns interesses corporativos. Esperamos que saiba passar das palavras aos actos e avance com determinação.


Contra visão retrógada

Mariano Gago traduziu bem esta noite, na RTP N, uma certa visão retrógada do ensino superior. Quem obtém hoje uma licenciatura em Portugal pode ir trabalhar para qualquer parte do mundo e não ficam dentro desta redoma chamada Portugal. Formar médicos em Portugal é de extrema importância. Alguns dos médicos formados em Aveiro irão certamente trabalhar para a Europa, América e países lusófonos. É o nono curso de Medicina em Portugal e arrancará em 2011.

Falta Hospital

Falta agora a construção de uma infra-estrutura adequada à saúde, para o distrito de Aveiro. Não entendo porque todos os distritos à volta (Porto, Viseu e Coimbra) dispõem de hospitais condignos, e Aveiro fique à margem das infra-estruturas de qualidade no campo da saúde.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Fúria Divina

Comecei a ler “Fúria Divina” em 15/10/2009 e terminei em 12/12/2009. Confesso que nunca pensei ler 583 páginas em menos de dois meses, mas tal justifica-se com o que disse o jornal italiano “Corriere della Sera”: “José Rodrigues dos Santos mantém o leitor colado à história”. Opinião que complementaria com a do americano “Shelf Awareness”: “José Rodrigues dos Santos fascina e informa, ao mesmo tempo que entretém”.

Sétimo Romance de José Rodrigues dos Santos

O sétimo romance de José Rodrigues dos Santos (já li “A Fórmula de Deus” e a “Ilha das Trevas”) começa num dos locais que mais me fascinaram no mundo: a Lagoa das Sete Cidades, nos Açores, seguindo de imediato para as Furnas. Mas há duas histórias paralelas neste livro que se vão aproximando. Paisagens vão aguçando a nossa criatividade imaginativa em locais como o Cairo (Egipto), Lahore (Paquistão), as montanhas do Afeganistão, Veneza (Itália), Ierevan (Arménia), Lisboa (Portugal) e finalmente New Jersey (Estado Unidos da América) onde fundamentalistas islâmicos se preparavam para deflagrar uma bomba nuclear de consequências imprevisíveis, muito próximo de onde o Presidente da maior potência mundial discursava.
O personagem islâmico principal, Ahmed, nasceu em 1969. Tal como eu. Muito crente iniciou-se muito cedo nos negócios mas foi apanhado pela polícia egípcia e colocado em prisões onde assistiu a atrocidades indescritíveis. Alistou-se na Al-Jama’a e foi-lhe confiada a missão de ser uma célula adormecida, sendo enviado para Lisboa, onde deveria entrar em engenharia. Seguiu para campos de treino no Afeganistão, altura em que se deu o 11 de Setembro de 2001. Foi chamado às montanhas e Bin Laden confiou-lhe a tarefa de fazer detonar uma bomba nuclear.
Recomendo este livro!

O que mudava no livro

No meu entender este livro está acima da média das centenas de livros que já li. Mas o facto de ter de dar os parabéns ao autor não me impede de traçar algumas considerações.
Em primeiro lugar considero que o autor exagera nos termos árabes utilizados. Em muitas ocasiões temos de andar a saltar o livro para trás para verificar o que quer aquela palavra dizer. Esta situação era facilmente ultrapassada se José Rodrigues dos Santos colocasse numa página um pequeno dicionário.
Na minha opinião o local escolhido para terminar a história deveria situar-se em Lisboa, ou pelo menos na Península Ibérica. Tudo levava a crer desde o início que tal iria suceder. O restabelecimento do islão em Portugal e em Espanha (na Al Andaluz) sempre foi o pretexto para tudo o que se passou na parte inicial do livro. Justificava-se melhor a entrada de Lisboa neste livro.

O islamismo

Começo por dizer que sou um católico assumido e contra todo o tipo de fundamentalismos. Respeito todas as pessoas independentemente da religião que possam professar.
No entanto este livro ajuda a perceber a “jihad” islâmica. Num diálogo do livro é referido: “Só há um Deus: Alá! Só há uma autoridade na Terra: Alá! Só há uma lei: a sharia! Mas aqui, no Egipto e nos países que se dizem do islão, a autoridade é do governo e a lei que vigora é a lei desse governo. E eu pergunto: é isso o islão? Claro que não! Claro que não! Estes governos que se dizem do islão são, na verdade, jahili, uma vez que estabelecem limite à sharia, não punindo os adúlteros com a lapidação até à morte nem ordenando a amputação da mão direita dos ladrões, nem sequer considerando que a apostasia é crime, conforme está previsto na Lei Divina. Uma pessoa pode ser adúltera, bêbada ou até kafir, mas desde que obedeça à lei humana é classificada como boa cidadã! Isto faz algum sentido? E um crente que mate uma adúltera à pedrada, respeitando assim a sharia, é, imagine-se!, classificado como criminoso e fanático e até vai para a prisão! É este um país islâmico? Como já te expliquei, Alá ordena no Santo Alcorão que se respeitem todos os Seus preceitos, não apenas alguns.”
Outra passagem do livro que ajuda a perceber é a que refere: “Dizer que um crente pode ser democrata é o mesmo que dizer que um crente pode ser politeísta. As duas coisas são contraditórias, é como querer misturar água e azeite! A democracia prevê liberdade de religião, incluindo o direito de as pessoas mudarem de crença, mas isto vai contra o islão, como muito bem sabes! Não foi o Profeta, que a paz esteja com ele, que decretou a pena de morte para os apóstatas? Como pode isso ser compatível com a liberdade de religião? A democracia prevê também a liberdade de expressão, o que significa que se pode até criticar Alá e as suas decisões. Ora o islão proíbe terminantemente que se faça tal coisa.”
Mas a melhor explicação do islão surge, quanto a mim, na página 295: “O islão não é o cristianismo. Nós temos esta fantasia de que os profetas promovem sempre a paz e de que para eles a vida é sagrada, seja em que circunstância for. Em momento algum os profetas aceitam que se faça guerra e se mate outras pessoas. (…) Quando um cristão faz a guerra, é importante que perceba que ele está a desobedecer a Cristo. Não foi Jesus que disse que, quando nos batem numa face devemos dar a outra? Ao recusar-se a dar a outra face e ao optar pela guerra, o cristão está a desobedecer ao seu Profeta, ou não está? (…) Pois essa é uma importante diferença entre o cristianismo e o islão. É que, no islão, quando um muçulmano faz a guerra e mata gente pode estar simplesmente a obedecer ao Profeta. Não se esqueça que Maomé era um chefe militar! No islão pode acontecer que o muçulmano que se recuse a fazer a guerra seja precisamente aquele que desobedece ao seu Profeta!”

As mulheres no islão

Há várias passagens sobre o papel da mulher nesta religião mas penso que a primeira que me chocou é elucidativa.
“”Toma sua cabra!”, gritava o pai no quarto. “Eu mato-te, ouviste? Eu mato-te!”
Sons de impacto.
“Pára! Pára!”
Era a mãe a implorar.
Para se isolar dos sons brutais que lhe chegavam ao exterior, Ahmed pôs-se a recitar mentalmente o Alcorão. Num esforço de se abstrair da violência e de se convencer de que o correctivo que estava a ser aplicado à mãe era justo, escolheu os versículos relacionados com o papel da mulher, e em particular o versículo 34 da sura 4.
“«Os homens têm responsabilidade sobre as mulheres, porque Deus favoreceu a uns em relação aos outros, e porque eles gastam parte das suas riquezas em favor das mulheres»”, recitou num murmúrio quase inaudível. “«As mulheres piedosas são submissas às disposições de Deus; são reservadas na ausência dos seus maridos no que Deus mandou ser reservado. Àquelas de quem temais desobediência, admoestai-as, confinai-as nos seus aposentos, castigai-as. Se vos obedecem, não procureis pretexto para as maltratar. Deus é altíssimo, grandioso».”

Huey Lewis & The News - Happy To Be Stuck With You

domingo, 13 de dezembro de 2009

Morreu Paul Samuelson

Fica aqui a minha singela homenagem ao economista Paul Samuleson que morreu, este domingo, aos 94 anos de idade, na sua casa no Massachusetts, nos EUA, conforme indicou o Massachusetts Institute of Technology (MIT).

O trabalho do Prémio Nobel da Economia de 1970 foi fundamental para a base da economia moderna, uma vez que aplicou uma análise matemática rigorosa para explicar o equilíbrio entre os preços e entre a oferta e procura.

Samuelson ficou ainda conhecido pelo seu livro «Economia: uma Análise Introdutória» que foi traduzido em 40 línguas e vendeu mais de quatro milhões de cópias desde a sua publicação em 1948. Uma das minhas "bíblias" da faculdade e que ainda guardo "religiosamente" na 12ª. Edição, que eu adquiri em 1990 e aqui reproduzo.

sábado, 5 de dezembro de 2009

Brasil, Costa do Marfim e Coreia do Norte no caminho de Portugal

O sorteio ditou ontem na África do Sul que Portugal jogará na primeira fase do Mundial de 2010, a realizar no continente africano pela primeira vez em Junho do próximo ano, com Brasil, Costa do Marfim e Coreia do Norte.

A imprensa mundial apelidou este grupo G como o grupo da morte. Será certamente um grupo muito difícil dada a enorme criatividade da Costa do Marfim, considerada por muitos como a melhor selecção africana, e da Coreia do Norte, que usa uma táctica defensiva difícil de ultrapassar. Quanto ao Brasil, os 6-2 que o treinador português, Carlos Queiroz, já sofreu dirão muito das diferenças entre a melhor selecção do mundo (com quatro jogadores a jogar no Benfica e Futebol Clube do Porto)e a portuguesa.

Curioso será que na selecção portuguesa estarão certamente 3 brasileiros naturalizados portugueses (Deco, Pepe e Liedson) que levou já algumas pessoas a dizer que o jogo Brasil-Portugal será um Brasil A contra Brasil B. Agora imaginem que o treinador ainda era Felipe Scolari. Apelaria a todos que colocassem bandeiras portuguesas às janelas?

Estão criados os ingredientes e a enorme expectativa para o Mundial 2010. Portugal vai parar no mês de Junho de 2010. Mais um aperitivo no vídeo comercial da Nike abaixo.

Earth Song - Michael Jackson

Em vésperas da Cimeira de Copenhaga penso que este videoclip devia ser (re)visto! Eu não consegui deixar de o ver até ao último segundo... Este vídeo ganhou em 1996 o prémio Le Film Fantastique de Melhor Clip e foi indicado ao Grammy de Melhor Clip de 1997.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Hélio dos Passos - Morena do Rio Turvo

Afinal a música pimba não é um exclusivo português!!!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

A desertificação no interior de Portugal

Está neste preciso momento a ser exibida na SIC Notícias esta reportagem sobre a Desertificação do Interior de Portugal.

Venceu um prémio promovido pela Associação Nacional de Municípios (ANMP) e muito bem. É um excelente documentário para que os nossos governantes vejam o estado em que deixam o nosso país.

Portugal corre cada vez mais a duas velocidades. Fecham-se todo o tipo de serviços (escolas, centros de saúde, tribunais,...) em prol da optimização das despesas. Como se as pessoas fossem números. Em contrapartida, nas grandes cidades como Lisboa, não há pejo em gastar com organização de grandes eventos como a XIX Cimeira Ibero-Americana que hoje terminou ou o Tratado de Lisboa que confere mais organização à Europa.

Urge mudar.

Expo-98, Estádios de Futebol, pontes, TGV ou aeroportos são palavras que figuram apenas nos dicionários próximos do mar. O interior é para os velhos e para os lavradores. O interior está desertificado, moribundo. Vai ser terra baldia, de ninguém. As pessoas partem... mas não voltam!

Parabéns SIC por mais uma excelente reportagem que aliás secunda, no dia de hoje, a apresentada pelo pivot do "30 Minutos" da RTP, José Rodrigues dos Santos. A comparação entre as conversas sobre as dificuldades da vida passadas numa cabeleireira de Lisboa em contraste com uma de Baião