quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Viagem Medieval em Santa Maria da Feira

Visitar Santa Maria da Feira durante a Viagem Medieval obriga-nos a recuar no tempo e a imaginarmos como seria a vida na época medieval. Sentir o dinamismo de mercadores e artesãos, a azáfama do trabalho dos artífices, o desafio dos jogos, das pelejas e dos torneio, o prazer dos momentos de convívio em ceias e grandes festas, onde domina a música, a dança e a magia.
Num tempo e num espaço diferentes, os visitantes poderão reviver o passado de um território que teve como centro de poder administrativo o burgo da Feira e o castelo como centro do poder militar.

11ª. Edição (2007)

Mais de dez mil pessoas estiveram este ano (2007) na 11ª. Viagem Medieval de Santa Maria da Feira, números que a organização assegura terem ultrapassado os de anos anteriores. Na realidade, e falo por mim, foi a primeira vez que me desloquei para observar a viagem virtual/real pela época medieval. Ouvia muitos elogios mas quis presenciar este evento que decorreu entre 3 e 12 de Agosto.
Toda a cidade está envolvida nesta festa e isso perecebe-se facilmente logo à entrada, com os pendões (espécie de estandartes) espalhados nas varandas de todas as casas (em duas cores diferentes, vermelho e verde).
O evento contou, este ano, com nova valência – os ‘Banhos de São Jorge’, um espaço de tratamento do corpo (conhecido hoje como ‘spas’ ou termas), onde os interessados eram submetidos a um tratamento de pés com vapores vulcânicos e a uma massagem de relaxamento, com direito a cama e espaço resguardado de olhares alheios. E depois de retemperados os sentidos, nada melhor que colocar à prova o gosto e o olfacto na barraquinhas dos “comes e bebes”, um espaço que, pela primeira vez, subiu alguns metros, passando do centro da cidade para os arredores do castelo.
Dentro do Castelo, foram três os grupos de teatro que asseguraram a encenação, durante os 10 dias que durou esta (longa) viagem medieval. Do Porto, o Teatro Assombrado trouxe a experiência e assegurou a parte mais importante, em que os visitantes, durante 20 minutos, se deparam com uma corte e os seus procedimentos – as vénias ao senhor e os rituais do desembainhar da espada, em que a interacção do público é essencial. As outras duas companhias, “caseiras” (por serem da Feira), foram a Estaminé e a Animatus. Mas a organização louva o papel dos voluntários, que se dividiram pelo recinto e foram os guias que acompanharam os visitantes, em grupos de 50 cada, com 20 minutos de diferença entre eles.

Viagens medievais

Proliferam um pouco por todo o país as festas e viagens medievais. No ano passado estive na de Leça do Balio, no início de Setembro, e gostei, mas fica a longa distância da organização de Santa Maria da Feira. Aqui a grandeza apercebe-se facilmente. O percurso da subida do castelo está lotada de barraquinhas "medievais", o espaço é maior e mais adequado.
Não deixa de ser curioso a proliferação de viagens medievais, como se quisessemos voltar colectivamente àquele tempo. Além de Leça e Feira, são igualmente mediáticas as festas medievais de Óbidos e Silves. Até ao momento fiquei-me pelas duas primeiras.

1 comentário:

Anabela Aires disse...

Ainda não tive oportunidade de ir á feira medieval de Sta Maria da Feira, recordo as que se faziam aqui em Lamego, era um fim de semana diferente em que eramos transportados para outra época, a minha filha participou na feira como padeira, estava linda, procuraram recriar tudo, como nessa altura se praticava o comércio, as moedas eram imitação das da época, os pregões, os mendigos, os bobos da corte, eramos literalmente transportados para outro mundo, para outra realidade.
A cidade ganhava outro dinamismo, posso dizer que foi numa dessas feiras que tive oportunidade de visitar o castelo pela primeira vez, "está sempre fechado".
Espero que um dia a Câmara volte a organizar a feira medieval, até porque Lamego precisa destas coisas para animar um pouco a nossa vida e dar outro dinamismo á cidade...afinal não podemos viver só com as Festas da Nossa Srª dos Remédios.